top of page

Integração entre Educação Básica e Ensino Superior para melhores resultados acadêmicos

Inovação pedagógica, flexibilidade curricular e engajamento com a comunidade são alguns dos caminhos para uma aprendizagem mais ativa e participativa

 

 

É comum que as pessoas delimitem claramente a Educação Básica, até o Ensino Médio, e o Ensino Superior, a partir da graduação. Porém, apesar das diferenças, ambas têm o mesmo princípio: transmitir conhecimentos para formar pessoas capazes de exercer plenamente a sua cidadania e transformar a realidade. Com isso em mente, é possível pensar em formas de integrar as ações destinadas a cada nível de ensino, de modo a superar os seus desafios e destacar as suas potencialidades.

 

No caso da Educação Básica, por exemplo, um dos principais problemas é a falta de participação e de interesse dos estudantes na busca pelo conhecimento. Já no ensino superior, o fortalecimento da trajetória acadêmica de cada aluno é uma das metas mais importantes.

 

Estratégias para promover maior engajamento dos estudantes na Educação Básica

 

José Carlos Barbieri, vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Noroeste do Estado do Paraná e reitor do Centro Universitário Cidade Verde (UniCV), concorda que engajar os alunos da Educação Básica no processo educativo é um desafio crucial.

 

Uma das estratégias apontadas por ele é a promoção de métodos que estimulem não apenas a apreensão de conteúdos, mas também o desenvolvimento do pensamento crítico e a formação de cidadãos participativos. “Uma abordagem relevante é a aprendizagem ativa, em que os estudantes se tornam protagonistas do processo de construção do conhecimento”. Além disso, o incentivo à interdisciplinaridade e à conexão de diferentes áreas de conhecimento pode tornar o aprendizado mais contextualizado e envolvente.

 




Outro ponto-chave é o estímulo à curiosidade e à autonomia do aluno. “Ao cultivar a curiosidade natural das crianças e jovens, é possível promover um interesse intrínseco pela busca do conhecimento. Estratégias pedagógicas que encorajem a pesquisa, a resolução de problemas e a participação em projetos podem ser eficazes nesse sentido”, destaca.

 

Ao implementar essas estratégias, os estudantes podem desenvolver um interesse genuíno pelo conhecimento. “Alunos que se sentem envolvidos nas atividades escolares têm maior probabilidade de dedicar tempo e esforço aos estudos, o que naturalmente se reflete em resultados acadêmicos mais positivos”.

 

 

Como fortalecer as trajetórias dos estudantes no ensino superior

 

O especialista considera fundamental promover a orientação acadêmica desde o início da jornada universitária – e até antes mesmo do ingresso no ensino superior. “Isso inclui fornecer informações claras sobre as opções de cursos, oportunidades de carreira e caminhos acadêmicos disponíveis”.

 

Assim, os estudantes devem ser incentivados a refletir sobre seus interesses, habilidades e objetivos profissionais, a fim de fazerem escolhas mais conscientes. “Instituições de ensino superior devem oferecer serviços de aconselhamento e de suporte emocional para lidar com desafios pessoais e acadêmicos”, diz Barbieri. Também é importante que cultivem ambientes inclusivos que respeitem a diversidade e proporcionem um senso de pertencimento.

 

Currículos flexíveis e práticas pedagógicas inovadoras que permitem que alunos explorem suas paixões e interesses específicos também são boas alternativas. “O reconhecimento e a valorização das diferentes formas de aprendizado e da diversidade de experiências dos estudantes são centrais para criar um ambiente educacional enriquecedor”.

 

Por fim, a integração com o mercado de trabalho é parte integrante desse momento. De acordo com o especialista, isso pode ser feito por meio do estímulo de parcerias entre instituições de ensino superior e empresas, facilitando oportunidades de estágio, programas de mentoria e eventos para networking.  Com essas iniciativas, os estudantes podem adquirir experiência prática e desenvolver habilidades relevantes para suas carreiras.

 

A orientação acadêmica desde o início da jornada universitária também contribui para uma seleção mais consciente de disciplinas e a consequente redução das taxas de desistência. “Esse enfoque mais individualizado também aumenta a motivação, o envolvimento e a relevância percebida pelos estudantes”, afirma.

 

Ações para integrar a Educação Básica e o Ensino Superior

 

Existem algumas estratégias que podem ser adotadas a partir de uma análise aprofundada de ambos os casos. Entre elas, Barbieri cita:

  1. Inovação pedagógica na Educação Básica: incluindo estratégias para promover uma aprendizagem mais ativa e participativa, utilização de tecnologias educacionais para engajar os alunos e práticas pedagógicas que estimulam a curiosidade e a autonomia.

  2. Desenvolvimento de trajetórias acadêmicas mais consistentes no Ensino Superior: pode ser feito por meio da orientação acadêmica e profissional desde o início da graduação, flexibilidade curricular, personalização do ensino e integração de experiências práticas, estágios e projetos curriculares.

  3. Avaliação e acompanhamento do desempenho acadêmico: estratégias para monitorar o progresso dos alunos ao longo do tempo, como o uso de ferramentas de avaliação que vão além das provas e exames tradicionais e a utilização de dados educacionais para identificar áreas de melhoria.

  4. Envolvimento da comunidade escolar e universitária: parcerias entre escolas, universidades, famílias e comunidades para programas de mentoria, apoio psicossocial para os estudantes e incentivo à participação ativa dos pais na educação de seus filhos.

 



José Carlos Barbieri será o mediador do painel “Integrando e fortalecendo as trajetórias da Educação Básica e do Ensino Superior para melhores resultados acadêmicos” no GEduc 2024. 

 

O GEduc é o maior Congresso de Gestão Educacional do país. Realizado pela HUMUS, empresa que desenvolve capacitações para gestores de universidades e escolas, o evento reunirá mais de 80 palestrantes e conteúdos inovadores para discutir o tema “Educação por essência: construindo trajetórias”. Serão três dias – de 03 a 05/04 – de imersão às novidades e tendências da área educacional. As inscrições estão abertas e podem ser feitas pelo link.




161 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page